TRADIÇÃO ORAL I, por Leonardo Coe

Teve uma infância de quintal, de manga, de caju, de jabuticaba, de histórias de pescador e de soltação de pipa. Correu solto nas ruas, becos e delírios. Em sua casa, todo dia era dia de festa. Sua mãe costurava as roupas do festival, seu pai cantava e ensinava os cantos. Cresceu no meio do siriri, […]

via Cajuína — FOLHAS DE OFICINA

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s